NBR NM 213-1 PDF

Machine Vlida a partir de Mquina 23 pginas Sumrio 1 Objetivo 2 Referncias normativas 3 Definies 4 Descrio dos perigos provocados pelas mquinas 5 Estratgia para a escolha das medidas de segurana 6 Apreciao do risco Anexo A informativo Representao esquemtica geral de uma mquina ndice alfabtico das palavras em portugus, espanhol e ingls Prefcio nacional A ABNT - Associao Brasileira de Normas Tcnicas - Frum Nacional de Normalizao. Introduo Esta Norma foi elaborada para auxiliar os projetistas, os fabricantes e qualquer pessoa, ou organismos interessados, a interpretarem as exigncias essenciais de segurana no mbito do MERCOSUL. A metodologia adotada prev o estabelecimento de uma hierarquia no processo de elaborao de normas, dividido em diversas categorias, para evitar a repetio de tarefas e para criar uma lgica que permita um trabalho rpido, facilitando a referncia cruzada entre estas.

Author:Ferr Vijas
Country:Mauritius
Language:English (Spanish)
Genre:Sex
Published (Last):13 December 2018
Pages:148
PDF File Size:9.63 Mb
ePub File Size:19.71 Mb
ISBN:522-9-31260-729-7
Downloads:79990
Price:Free* [*Free Regsitration Required]
Uploader:Mot



A utilizao prevista compreende tambm o respeito das instrues tcnicas expressas, especialmente no manual de instrues ver 5.

NOTA - No que diz respeito aos maus usos previsveis, convm prestar particular ateno aos seguintes comportamentos, quando se procede apreciao do risco: - o comportamento anormal previsvel que resulta de uma negligncia normal, mas que no resulte da vontade deliberada de fazer um mau uso da mquina; - o comportamento reflexo de uma pessoa em caso de mau funcionamento, de incidente, de falha etc.

Ver 5. H duas categorias de funes de segurana crticas: a As funes especficas de segurana que so funes crticas destinadas a garantir a segurana. Delas fazem parte, em especial, a vigilncia automtica ver 3. H duas categorias de vigilncia automtica: - a vigilncia automtica contnua, que desencadeia imediatamente uma medida de segurana quando ocorre uma falha; - a vigilncia automtica descontnua, que desencadeia uma medida de segurana quando ocorre uma falha, durante um ciclo posterior do funcionamento da mquina.

Na prtica, aproximamo-nos tanto mais da realizao dessa situao quanto mais reduzido for o efeito das falhas sobre a funo de segurana considerada. Dependendo de sua construo, uma proteo pode ser chamada carenagem, cobertura, janela, porta, etc. NOTAS 1 Uma proteo pode atuar: - s; neste caso, eficaz apenas quando estiver fechado; e - associado a um dispositivo de intertravamento ou de intertravamento e bloqueio; neste caso, a proteo assegurada qualquer que seja a posio da proteo.

A regulagem mantm-se inalterada durante determinada operao. Logo que se desative o rgo de comando manual, este volta automaticamente posio que corresponde parada. Os dispositivos sensores podem ser: - de deteco mecnica: por exemplo, por meio de cabos, de sondas telescpicas, de dispositivos sensveis presso etc. Tambm pode ocasionar quedas de pessoas ou de objetos deixados por pessoas , como resultado do efeito de surpresa provocado por choques eltricos.

As vibraes mais intensas ou as vibraes menos intensas durante um perodo longo podem provocar perturbaes graves perturbaes vasculares, tais como o fenmeno conhecido como dedos brancos, perturbaes neurolgicas e perturbaes osteoarticulares, lombalgia e citica etc.

HUGO WOLF SPANISCHES LIEDERBUCH PDF

NBRNM213-1 DE 12/2013

.

COURS SEMIOLOGIE MEDICALE PDF

NM213-1 DE 12/1999

.

BUJOLD DIPLOMATIC IMMUNITY PDF

NBR 213-1 - Seguranca de Maquinas Conceitos Fundamentais

.

Related Articles